quarta-feira, 6 de maio de 2009

Novas

Música Espírita na Garagem do Faustão

Olha o Alma Sonora expandindo mais uma vez as fronteiras da música espírita! Dessa vez, o grupo participa do Garagem do Faustão, mais novo festival de talentos da Globo. Intérpretes, compositores, duplas e bandas concorrem com clipes de músicas próprias. A proposta do concurso é dar visibilidade a trabalhos originais. Coisa diferente do que tem no mercado e tal...

Não tem prêmio em dinheiro, promessa de gravação de CD, DVD, nem nada do gênero. O regulamento deixa tudo em aberto a esse respeito. A única promessa é de abrir as portas da mídia para os trabalhos que forem do agrado da emissora:

A GLOBO poderá selecionar a cada semana, a seu exclusivo critério, os melhores vídeos para serem veiculados: (i) em TV aberta e/ou fechada, na TV Globo (exibição nacional e/ou regional) e/ou Globo Internacional (...) na Internet, no portal Globo.com, no site da TV Globo na internet (www.globo.com/redeglobo), ou no Portal do Programa (www.globo.com/faustão) (...)

A gente pode ver os vídeos inscritos, votar e comentar no site. Eles não garantem seguir as indicações do público. Mas é claro que não custa nada dar uma força pra chamar a atenção da Dona Globo, né não? Então, eis abaixo o vídeo inscrito pelo Alma Sonora:


E o link direto para votar e comentar sobre o material. Vamos agitar esse negócio, e mostrar que vale a pena investir na música espírita!!!

http://domingaodofaustao.globo.com/Domingao/Garagemdofaustao/0,,16989-p-V1021415,00.html

7 comentários:

Zadig disse...

Com esse pop-rock mascarado numa letra com temas espíritas o que é que esse pessoal pretende? divulgar o espiritismo...já sei! tipo o padre marcelo rossi na igreja católica ou aquela evangélica fernada brum através de mega shows, é melhor eles pensarem em fazer outra coisa!

Romário disse...

"pop-rock mascarado numa letra com temas espírita"???

O que você quer dizer com isso? Que eles fazem um pop rock disfarçado? Ou que fazem divulgação espírita mascarada?

Não acho que façam uma coisa nem outra. Expressam o que sentem com espontaneidade, qualidade técnica e, até onde me consta, em perfeita coerência com a proposta espírita de compreensão da realidade.

Ou seja, fazem Arte Espírita, no melhor sentido da palavra!

Zadig disse...

Então, vamos ver se você ta fazendo o dever de casa: qual seria a definição de arte espírita? Cuidado com a resposta ela pode te comprometer...é melhor pesquisar se não souber!

Romário disse...

Definição segundo quem? Kardec nunca esboçou uma definição precisa para a expressão "Arte Espírita".

Léon Denis, apesar de discorrer longamente sobre a influência do espiritismo sobre a arte, também não o fez.

Emmanuel, André Luís e cia tampouco se aventuraram nesse campo.

Eu defendo a idéia, desenvolvida por Léon Tolstói, de que Arte é a expressão de sentimentos através de sons, gestos, cores, formas, traços e movimentos.

Arte Espírita, por conseguinte, será aquela expressão artística que deve sua origem à influência do espiritismo sobre a sensibilidade do artista.

Simples assim.

Zadig disse...

Essa história que tem a ver com a sensibilidade do "artista" talvez seja a causa de termos por aí tanta coisa simplória...tudo bem, eu entendi a explicação e aceito, mas imagine voce que de repente um "artista" desses por aí tenha a sensilidade musical de querer divulgar o espiritismo através de um heavy-metal...ou do forro ou coisa parecida , e aí? fica por isso mesmo...mas alguem vai dizer: nao , isso nao vai acontecer. tavez os nossos irmaos protestantes nao tivessem imaginado que a "arte" evangelica fosse chegar ao nível do punk-rock ou do funk...vc nao imagina que essas doidices sejam bem faceis de acontecer no movimento espirita? Seja sincero...voce a de concordar comigo que coisa ruim nao deve ter espaço ainda mais no movimento espirita!

Romário disse...

Zadig, não se trata de "divulgar" o espiritismo por meio do forró ou do heavy metal. Trata-se de produzir uma arte nascida da vivência espírita do artista. E isso pode ser feito em qualquer estética, em qualquer ritmo. Definitivamente, não há barreiras para a multiplicidade de expressões da nossa sensibilidade. A única barreira aceitável para uma Arte Espírita é a identificação com a proposta espírita de compreensão da realidade. De resto, só firulas.

Por exemplo: se Michael Jackson tivesse se tornado espírita e quisesse expressar isso em sua produção musical. Você acha que ele faria uma daquelas coisinhas etéreas que costumam introduzir a prece ou o passe? Provavelmente não. Ele expressaria essa nova condição pessoal da forma que ele mais se sentia à vontade pra fazer: através do funk, do R&B, da música negra!

E isso, certamente, seria fantástico!

Altair disse...

Muito bom, parabéns à banda pela música e pelo esforço de divulgar a Doutrina por um meio ainda tão pouco desenvolvido por nós espíritas.

Parabéns mesmo e que Deus abençoe sempre seus trabalhos.