segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Mais

Expoentes da Arte Espírita

Version in English here

A Arte Espírita cresce! Avança, ganha espaço e leva junto o otimismo e a fé no futuro que marcam a visão de mundo espírita. Institucionalmente, a fundação da Associação Brasileira de Artistas Espíritas (Abrarte), no ano passado, evidencia bem esse movimento. Hoje são 90 associados de todo o país, e mais de 200 participantes no Fórum Virtual da instituição. E individualmente, as conquistas dos grupos saltam cada vez mais aos olhos.

Hoje vamos destacar o trabalho desenvolvido por dois dos maiores expoentes da Arte Espírita no país: o Alma Sonora (PR) e o Grupo Arte Nascente (GO). Não seria exagero dizer que são os dois grupos musicais espíritas mais relevantes em atividade. Vejamos por quê.

O Alma Sonora comemorou 11 anos em 2008, com um currículo raro no meio espírita. Inclui participação em trilha sonora de filme nacional, dois CDs e uma série de premiações em festivais nacionais de música. De quebra, o grupo tem canções executadas regularmente em rádios de Curitiba. Pra não "encumpridar" demais o texto, colocamos numa postagem à parte o currículo completo do grupo:

http://espiritodearte.blogspot.com/2008/07/contedo-extra_15.html

Depois de acessar o link acima, você certamente ficou com vontade de ouvir uma palhinha desse repertório premiado. Selecionamos aqui dois vídeos que podem dar uma idéia do que se trata. O primeiro é de Pensamento Sideral. O segundo, de Canção de Amor ao Planeta. Ambas peças das mais belas já produzidas pela Arte Espírita!






E aí, gostou? Pois vamos falar um pouquinho também do Grupo Arte Nascente, o GAN, de Goiânia. Esse ano, eles comemoraram em grande estilo os 20 anos de bons serviços prestados à espiritualização da Arte.

Gravaram o primeiro DVD ao vivo de um espetáculo musical espírita, num show transmitido em tempo real via internet, como já anunciamos neste Portal, com direito a propaganda na TV e tudo mais. O trabalho desenvolvido pelo GAN abrange visitas a hospitais, intervenções em escolas e palestras musicais sobre valorização da vida. Um conjunto de ações que renderam ao grupo uma declaração de utilidade pública da Assembléia Legislativa de Goiás, como se lê aqui.

E pra matar a curiosidade, eis um vídeo feito na V Mostra Brasileira de Teatro Transcendental, em Fortaleza. É uma música recente, que encerra o último CD do grupo, mas que já chegou com ares de clássico. Conheça Tudo É Amor e saiba por quê:

6 comentários:

Anônimo disse...

Matéria muito legal, não fosse esse vício da linguagem "jornalística" e "midiática" de eleger "os melhores", "os mais"... Acho que o Espiritismo não precisa disso.

ESPÍRITO DE ARTE disse...

Compreendemos a idéia. Mas acreditamos que a divulgação em alto e bom tom daquilo que ajuda a propagar o Bem está acima de qualquer melindre. Se não valorizarmos, enaltecendo até, iniciativas exemplares como essas, estaremos abrindo espaço para que se faça o mesmo com trabalhos bem menos louváveis.

Abraço forte!

Anônimo disse...

Deixa eu ver se eu entendi: para que outros não cometam excessos, que o pratiquemos antes deles! É isso? Também não entendi essa de enaltecer trabalhos "menos louváveis". Quem diz o que é mais ou menos louvável com mais segurança e precisão? Esse blog? Esse blog também é "o mais"? Os trabalhos relatados na matéria são muito bons, louváveis, propagam o bem e ponto. Não são "mais", nem "menos" que os outros. Cada um tem seu mérito e seu espaço. Não precisamos comparar trabalhos que estão aí para somar. Deixemos disso, companheiros!

ESPÍRITO DE ARTE disse...

Por "menos louváveis", entendemos trabalhos musicais ou teatrais, por exemplo, que não possuem substância artística. Obras superficiais, sem sentimento algum, incapazes de oferecer qualquer contribuição significativa à sociedade. Basta ligar o rádio ou ir ao teatro para ver exemplos disso.

Entendemos que o trabalho realmente artístico, de qualidade técnica, nascido de um sentimento autêntico e construtivo, merece divulgação em alto e bom tom. Era isso que Kardec que fazia. É isso que procuramos fazer.

Sinta-se livre para discordar de nossos critérios e de nossas avaliações. Limitamo-nos a observar e relatar o que constatamos. Por enquanto, não vemos nenhuma boa razão para deixar de agir dessa maneira.

Abraço forte!

Anônimo disse...

Legal, turma! Vocês me convenceram! Grande abraço! E parabéns pelo trabalho de vocês!

Mauricio Keller - GAN disse...

Precisamos, de forma urgente, tomar consciência das manifestações do ego em nossas vidas. Se uma pessoa tem mais, sabe mais ou pode fazer mais do que nós, o ego se sente ameaçado porque o sentimento de “menos” diminui sua percepção imaginada do eu em relação a ela. Assim, ela pode se recuperar procurando, de algum modo, criticar, reduzir ou menosprezar o valor das capacidades, dos bens ou dos conhecimentos desse indivíduo.


Encontrar erros nos outros ou assumir uma atitude reativa, fortalece o sentido de limite e de separação característico do ego e do qual ele depende para sobreviver. Mas todas essas ações também o reforçam de outra maneira, dando-lhe uma sensação de superioridade que o faz expandir. A uma explicação para isso. Quando apontamos o dedo, subentende-se que estamos certos, enquanto a pessoa ou situação da qual reclamamos ou à qual reagimos está errada. Nada fortalece mais o ego do que estar certo. Isso o identifica com uma posição mental – uma perspectiva, uma opinião, um julgamento, uma história. Obviamente, para termos razão, é necessário que alguém esteja errado. Assim, o ego adora apontar a falha para que possa mostrar que está certo. Em outras palavras: precisamos fazer com que os outros estejam equivocados para nos sentirmos mais fortes do que somos. Estarmos certos nos coloca numa posição de superioridade moral imaginada em relação à pessoa ou à situação que está sendo julgada. É esse sentimento de superioridade que o ego adora e por meio do qual se destaca.


O ego não gosta de admitir algo melhor do que ele, ou do que as coisas que ele defende. Então o melhor, a qualidade, a excelência, o destaque natural de alguém ou algo se torna um alvo de ataques. O ego leva tudo para o lado pessoal. Surge a emoção, assim como a atitude defensiva, talvez até agressão. Estamos defendendo a verdade? Não, a verdade não precisa de defesa. Estamos protegendo a nós mesmos ou então a ilusão de nós mesmos. Todo ego confunde opiniões e ponto de vista com fatos. O ego é sempre um mestre da percepção seletiva e da interpretação distorcida. Apenas por meio da consciência – e não do pensamento – somos capazes de diferenciar entre fato e opinião.


“A maior caridade que podemos fazer à Doutrina Espírita é a sua divulgação" (Emmanuel)